QUANDO TUDO COMEÇOU

Minha paixão pelo rádio, especialmente pelo futebol, começou quando eu tinha apenas dez anos de idade. Foi quando ganhei do meu pai o meu primeiro radinho de pilha. A partir de então eu comecei a escutar alguns programas musicais e esportivos. Meus primos, um pouco mais velhos que eu, ouviam as duas rádios mais voltadas à época para o público jovem, a Mundial e a Tamoio, que competiam pela audiência. No futebol havia a Globo e a Tupi, as mais ouvidas, sob a liderança dos locutores Valdir Amaral, e Doalcei Camargo, respectivamente, mas também havia a rádio Nacional, com Jorge Cury e a rádio Mauá, com Orlando Batista. Eu ficava encantado com as narrações esportivas daqueles que passaram a ser meus ídolos, antes mesmo dos jogadores de futebol. Valdir Amaral na rádio Globo, que narrava cadenciado e cheio de detalhes, chamava o jogador que fazia o gol de “indivíduo competente” e dizia “tem peixe na rede” numa metáfora que indicava que a bola tinha entrado, e depois, para dizer que as coisas iam bem, completava com o “choveu na horta do…” e dizia o nome do time que acabara de marcar o gol. Doalcei era vibrante e preciso, sempre em cima do lance, às vezes gritava o gol antes mesmo que a torcida reagisse e explodisse em emoção; Jorge Cury, para mim o maior e melhor de todos, com sua potente voz e seu “golaço, aço, açoooo” me transportava para dentro do campo, tal a sua capacidade de descrever a jogada e transformar cada lance em uma nova emoção.

Logo veio o ano de 1970, e com ele a conquista do tri campeonato mundial de futebol, com a melhor seleção que eu vi jogar pelo Brasil. No campo desfilavam sua categoria jogadores como Clodoaldo, Gerson, Rivelino, Tostão e o Rei Pelé, além da força e juventude dos meninos Carlos Alberto, o capitão, e do furacão da copa Jairzinho. E as narrações de Valdir Amaral e Jorge Cury me emocionaram e até hoje emocionam quando ouço novamente. Era uma época difícil no âmbito da política, pois o Brasil vivia uma ditadura militar, mas a despeito dessa questão, o povo conseguiu comemorar uma conquista que, de certa forma, nos trazia orgulho por termos o melhor futebol do mundo.

Contudo as circunstâncias da vida me encaminharam para outras realizações. Fiz vestibular para cursar Matemática e me tornei professor. Antes mesmo de me formar na faculdade já dava aulas, e por gostar muito do que fazia, fui ocupando meu tempo com o ensino e acabei deixando de lado um grande sonho juvenil. Tive uma carreira vitoriosa no magistério, onde conheci pessoas incríveis, entre alunos e colegas de trabalho, com quem aprendi muito e evoluí como profissional e como pessoa. Aí vieram o casamento, os filhos, e a vida caminhou por outros caminhos, me afastando um pouco do rádio.

Recentemente, já às portas da aposentadoria como professor, eis que ressurge o sonho acalentado por tantos anos…fazer um curso de locução e posteriormente o de locução esportiva. Era o que eu precisava para reacender a chama que, na verdade eu acabei descobrindo, nunca havia se apagado.

A partir daí, e agora com mais tempo disponível, veio o desejo de organizar uma web rádio, junto com alguns jovens amigos, com certeza um pouco loucos como eu. Foi assim que Emanuel Santana, Emerson Santos, Jonas Stelman, José Luiz Bento, Gabriel Macieira, Jordan Paiva e eu nos juntamos para organizar a FREQUÊNCIA MÁXIMA. Um sonho de criança começava a se tornar realidade para mim. Hoje, pouco depois de completar um ano de existência,  podemos comemorar a grande audiência conquistada com muito trabalho e dedicação.

Estamos apenas começando, e sabemos que há uma longa e difícil caminhada pela frente. Mas a busca pela realização do sonho é o motor que nos impulsiona a seguir adiante, na certeza de que grandes conquistas virão.

Hoje tenho a honra de ser um dos narradores da equipe Frequência Máxima, onde tento traduzir para os ouvintes a emoção do jogo, inspirando-me naqueles narradores que tanto me influenciaram quando eu, ainda menino, sonhava um dia ser igual a eles.

Semanalmente estarei por aqui nesse blog. O TÁ LA DENTRO pretende ser um espaço aberto para falar de tudo, inclusive de futebol. Convido você a me acompanhar e a interagir comigo, mandando suas críticas e sugestões. Sua opinião será compartilhada e tratada sempre com o carinho e o respeito merecido.

Grande abraço e muito obrigado por você ser meu amigo e acompanhar o meu trabalho.

*José Roberto Julianelli é professor há mais de 40 anos. Como consequência é comunicador há mais de quatro décadas. Sempre sonhou em trabalhar em rádio, uma de suas maiores paixões. É um dos fundadores da Web Rádio Frequência Máxima, onde atua como narrador, repórter e comentarista, além de ser um dos Diretores da rádio. Seu maior objetivo é fazer com que a FM seja uma referência de qualidade entre as web rádios do Brasil, e acredita que isto só acontecerá com um trabalho sério, ético, com muita responsabilidade e, é claro, respeito pelos ouvintes.